quarta, 23 de maio de 2018
Cidades
Compartilhar:

João Pessoa sofre com praias sem estrutura

Bárbara Wanderley / 07 de dezembro de 2017
Foto: Assuero Lima
O verão se aproxima, mas nas praias urbanas da Grande João Pessoa existem, no entanto, problemas de estrutura e ordenamento como a falta de banheiros, e a ocupação da areia por mesas e vendedores ambulantes que acabam bloqueando a passagem dos banhistas.

“Faz muito tempo que a Prefeitura não fiscaliza nada aqui”, afirmou o comerciante Alexsandro Sales da Silva, que aluga cadeiras e guarda-sóis na praia de Tambaú. Segundo ele, quando começou a trabalhar com isso, em 2009, a Prefeitura orientou cada comerciante a colocar no máximo dez mesas e guarda-sóis na areia, com uma distância mínima de 50 metros entre uma área e outra. “Já tem gente aqui que coloca 20, ficou tudo cheio, o turista fica sem espaço para passar para ir pro mar”, disse.

Banheiros. Outra questão é a dificuldade para usar o banheiro, já que a maior parte dos bares só permite acesso de clientes ou cobra um valor para o uso, geralmente por volta de R$ 2. O vendedor Cosmo Alves Barbosa afirmou que não cobra pelo uso do banheiro no quiosque no qual trabalha. “Eu não acho certo cobrar, mas a maioria cobra”, contou.

Já o comerciante Rômulo Costa da Silva, proprietário de quiosque em Tambaú, afirmou que cobra R$ 2 pelo uso do banheiro porque se deixar aberto “vira bagunça”. Ele disse que há casos de pessoas que quebram os equipamentos ou tiram as lâmpadas, e justificou ainda, que tem despesas com a limpeza e manutenção. A banhista Valdilene da Cunha contou que é de João Pessoa, mas estava recebendo uma visita de São Paulo, que levou para conhecer a praia. Elas optaram por usar um Uber para ir ao local, por isso não encontraram dificuldade para estacionar. A única queixa feita foi em relação aos banheiros, que muitas vezes são sujos. “Mas também é muita gente usando”, disse.

A praia do Cabo Branco conta com 615 vagas de estacionamento e a de Tambaú tem 125, segundo estimativas da Superintendência Municipal de Mobilidade Urbana (Semob). Ainda assim, os motoristas costumam encontrar vagas com dificuldade.

O diretor de Serviços Urbanos da Secretaria de Desenvolvimento Urbano de João Pessoa (Sedurb), Josenildo Belmont, afirmou que muitas das diretrizes do Comitê Gestor da Orla de João Pessoa não estão sendo seguidas.

Segundo ele, todos os banheiros dos quiosques da orla deveriam ser abertos ao público de forma gratuita, e isso está no contrato assinado entre comerciantes e prefeitura. Além disso, a passagem até o mar não pode ser bloqueada.

Fiscalização

Josenildo Belmont contou que a Sedurb tem uma equipe reduzida para fiscalização e precisa atuar com a Superintendência do Patrimônio da União. Ele disse que tem um processo na Procuradoria do Município para ser enviado à Justiça Federal para que se possa fazer um reordenamento da praia.

Relacionadas