quarta, 23 de agosto de 2017
Cidades
Compartilhar:

IPC não dá conta de 20 mil documentos de identidade por mês na Paraíba

Lucilene Meireles / 16 de julho de 2015
Foto: Nalva Figueiredo
Como se não bastasse ter sido vítima da violência, quem tem um documento roubado, por exemplo, ainda enfrenta outro problema: tirar a segunda via. Se a pessoa não contar com a sorte, tem que ter pelo menos paciência. É preciso esperar até o último dia útil do mês para agendar a solicitação em uma das casas da Cidadania e isso não garante que o agendamento seja feito, porque as vagas são limitadas e a demanda é grande. Na Paraíba, segundo o Instituto de Polícia Científica (IPC), mensalmente, são expedidos quase 20 mil RGs.

A analista de sistemas Karina Sorrah foi assaltada em maio e diz que já fez duas tentativas de agendamento e chegou a perder a venda de uma casa pela falta do RG. “Estou há dois meses nessa luta e não consigo resolver”, declarou Karina.

Ao contrário de Karina, a dona de casa Maria José Pereira esperou apenas uma semana para agendar o pedido do RG.

Israel Aureliano, superintendente de Departamento do IPC, informou que, para que a emissão seja considerada de urgência, é preciso comprovar a necessidade de ser atendido antes de quem agendou, como em uma viagem ou caso de cirurgia.

 

Porque a demora?

“O sistema biométrico ainda está em fase de implantação e é mais lento, porque depende da internet. Apesar de demorar de 20 a 40 minutos, é mais seguro. A coleta da impressão manual é muito rápida, mas não oferece a mesma segurança do processo digital”, explica o papiloscopista e coordenador do IPC da Casa da Cidadania de Mangabeira, Irismar Alves de Lima.

Marcar para evitar filas 

Jardel Cabral, gerente da Casa da Cidadania de Mangabeira, explicou que o agendamento é necessário para garantir que o usuário não enfrente filas, nem tenha que chegar durante a madrugada para garantir atendimento. “Há muita demanda e, junto com a Gerência Executiva, as casas decidiram que a solicitação do RG deveria ser desta forma”. Ao fechar o número de atendimentos para o mês, o agendamento fica suspenso até o último dia útil, quando é retomado. Toda demanda do Estado vai para o Instituto de Polícia Científica (IPC).

 

Relacionadas