segunda, 20 de novembro de 2017
Cidades
Compartilhar:

Falta hospital público para animais e Zoonoses realiza três eutanásias por dia

Lucilene Meireles / 17 de março de 2016
Foto: Assuero Lima
Nos dois primeiros meses deste ano, 198 animais foram sacrificados no Centro de Vigilância e Controle de Zoonoses de João Pessoa, o que representa 3,3 eutanásias por dia. Muitas dessas mortes poderiam ter sido evitadas se houvesse um hospital público para tratar os bichos criados por pessoas que não têm condições financeiras de arcar com as despesas de um tratamento.

Apesar do número alto de animais submetidos à eutanásia, o gerente de Vigilãncia Ambiental e Zoonoses, Nilton Guedes, afirmou que há um controle rigoroso até a decisão pelo procedimento. “Só sacrificamos quando há mais condição de cuidar. Se for animal abandonado, realizamos o teste de calazar, vacinamos contra raiva e eles seguem para adoção”, disse.

Nos casos de câncer, não é realizado exame específico. É preciso levar um exame ou laudo de um veterinário para comprovar. A veterinária Suely Ruth Silva explicou que estes animais só ficam se estiveram com a as mamas comprometidas, com secreção. “Se der para fazer cirurgia, tem que arcar com os custos, mas mesmo que não faça, o animal pode viver muito tempo com a doença. Nos casos em que não dá para perceber a doença, não temos como saber. Dia desses, chegou um animal com um tumor na cabeça. O dono trouxe o exame, mas conseguíamos ver. Ele já tinha o olho comprometido e a respiração era difícil. Foi sacrificado”, relatou.

Normalmente, os animais doentes são levados pelos donos, mas o Centro também recolhe animais nas ruas, através das capturas seletivas ou quando têm resultado positivo para calazar. É feita a eutanásia e o animal morto é recolhido por um veículo da Emlur.

Nilton Guedes afirmou que o número de animais abandonados pelos donos diminuiu porque há vigilantes no local. Além disso, há uma parceria com ONGs que são acionadas quando eles aparecem.

Adoção

4Apesar de não receber animais para adoção, o Centro de Controle de Zoonoses tem hoje nove cães adultos e cinco filhotes . “O Centro só recebe animais trazidos pela Polícia e Bombeiros”, disse a veterinária Suely Ruth Silva.

Dicas para manter o animal sadio

Faça a vermifugação;

Trate carrapatos;

Verifique se há animais vizinhos com cinomose, que é transmitida pelo ar;

Vacinas que evitam cinomose e outras doenças são pagas - três doses iniciais e depois anualmente.

Doenças que levam à eutanásia

Calazar (leishmaniose)

Cinomose. Tratamento só na fase inicial.

Câncer. Se o quadro for aparente, com secreção.

Estado terminal. Animal ‘idoso’, que não está mais se alimentando ou levantando.

 

Relacionadas