segunda, 16 de julho de 2018
Estilo
Compartilhar:

Minas Trend antecipa verão 2019 aponta novas tendências da moda

Isis Vilarim, do Portal Correio / 18 de abril de 2018
Foto: FotoSite
Dos desfiles para as ruas: as tendências para a Primavera/Verão 2019 já apareceram na 22ª edição do Minas Trend. Mesmo que muitas referências pareçam exageradas em um primeiro momento, as produções apresentadas pelas marcas que passaram pela passarela já dão pistas do que está por vir: uma moda que prima o conforto aliado ao estilo pessoal.

O desfile de abertura da feira, realizado na segunda-feira (17), arrebatou os convidados trazendo para a passarela diversidade, beleza e tradições do sertão mineiro, região que é uma das referências do tema de inspiração desta edição.

Reunindo 60 looks, compostos por peças de mais de 100 marcas que participam do Salão de Negócios do evento, a abertura foi dirigida pelo stylist Paulo Martinez, que optou por uma apresentação pautada pelas variantes de cores que caracterizam as paisagens da icônica região do estado.

Na terça (17), apareceram looks inspirados em pijamas e lingeries no desfile de Fátima Scofield, por exemplo, que inaugurou a passarela desta edição com composições repletas de transparências e fluidez.

Com perfume anos setenta, a apresentação da estreante no line up do Minas Trend trouxe uma coleção bem fluida, repleta de vestidos longos. A marca apostou em estampas exclusivas, na modelagem clean e nas peças atemporais para vestir uma mulher contemporânea que valoriza a exclusividade, tanto nos looks casuais, como em ocasiões especiais que exigem uma roupa sofisticada e autoral.

O Sindicato das Indústrias de Joalherias de Minas Gerais apostou em um desfile coletivo, que trazia peças das marcas Caleidoscópio, Carlos Penna, Camila Klein, Endy Mesquita, Hector Albertazzi, Lázara e S Design. As peças tomaram formas criativas e distintas, com um mix inusitado de materiais e texturas, resultando em um trabalho original e bem brasileiro. O estilo foi baseado nos tons de terra, bege, prata e ouro, deixando os corpos das modelos seminus e “vestindo-os” com as peças de bijuteria.

Já a Plural adicionou um toque “matemático” ao vestuário feminino da temporada. A diretora criativa da marca buscou inspirações em movimentos artísticos que tem como característica principal a geometria.

A cartela de cores passou pelo vermelho até o caqui e branco, com pontos de mostarda, preto e azul. Linho, viscoses, cambraias, voal de seda e tecidos tecnológicos são as bases para as pantalonas, camisas, vestidos e saias feitos para a mulher de atitude livre.

Os shapes geométricos e de comprimento midi reforçaram a ideia do conforto para a temporada.

Por sua vez, Natalia Pessoa trouxe uma apresentação através de formas fluidas, das franjas e de muito movimento, celebrando a autenticidade da mulher brasileira.

Já o estilista Lucas Magalhães apostou em personalidade aos tecidos que surgem em um mix de tinta, silk, estampa digital e bordados, dando vida às peças modernas do estilista. Na passarela, o tricô experimentou leveza em novas misturas de fios e cores. Os looks também apresentaram uma pegada grunge, com muito xadrez, formas afastadas do corpo e alfaiataria. A sofisticação ficou por conta do brilho, especialmente nos delicados bordados em paetê.

Letícia Manzan resgatou o clima do esporte como lifestyle e a academia como cenário social dos anos 90. A coleção apostou em muitas cores e tons pastéis de laranja, amarelo claro, verde menta e o rosé como símbolo da marca.

O verão da Manzan veio nas passarelas com uma linha paetizada, transparente e metalizada em tons de prata, que desfilaram entre plumas e bordados em propostas ousadas.

O evento

As riquezas históricas, culturais e geográficas de Minas Gerais foram referência para a concepção criativa da 22ª edição do Minas Trend, que acontece no período de 17 a 20 de abril, em Belo Horizonte.

Sob o tema “Nosso Lugar Somos Nós”, o evento propôs uma abordagem sobre a tradição, cultura e valores locais – mediante uma visão contemporânea -, e suas influências na produção de moda mineira na busca por novos mercados por meio de processos mais elaborados e produtos mais genuínos. A importância da sustentabilidade, de forma a garantir a sobrevivência das gerações futuras, foi também referência importante para a concepção criativa.

“Fugimos dos estereótipos instantâneos da cultura local, buscando elementos com valor e conteúdos a serem explorados”, destaca o arquiteto Pedro Lázaro, diretor criativo da semana de moda mineira, sobre as referências que pautaram o desenvolvimento do tema.

Reforçando o conceito, as cores Pantone da temporada foram aplicadas através de analogias com músicas, poesias e expressões artísticas mineiras que abordaram percepções da natureza, surgindo em elementos inusitados como árvores azuis ou em um pôr do sol que irradia tons de vermelho escuro.

Relacionadas