segunda, 21 de agosto de 2017
Educação
Compartilhar:

Entrevista: Edna Brenand fala sobre Projeto Africanidade ao Jornal Correio da Paraíba

Luiz Carlos Sousa / 09 de agosto de 2015
Foto: Manoel Pires
Um projeto pioneiro da UFPB levou à África um curso de especialização para professores de Cabo Verde São Thomé e Prícinpe e Guiné Bissau. O projeto, pensado sob a plataforma do ensino a distância, apesar das dificuldades, foi um sucesso com 47 monografias defendidas. Os resultados já foram levados a eventos nos Estados Unidos e Europa. Para a coordenadora do Projeto Africanidade, Edna Brennand, foi um desafio que qualquer educador deseja enfrentar. Nessa conversa com o Correio, a professora Edna Brennad conta as dificuldades, como o projeto foi executado e revela, com tristeza, a interrupção da segunda fase, inclusive com R$ 1 milhão sendo devolvido ao MEC por causa da burocracia. Ela fala também sobre as novas tecnologias à disposição da educação e como elas estão revolucionando a aprendizagem.

O que é o Projeto Africanidade?

- O Projeto Africanidade foi uma iniciativa do Ministério da Educação, através da cátedra Unesco do Centro de Educação da UFPB. Em 2011 eu recebi um convite do professor Timothy Ireland, que é o representante da Unesco na UFPB para conversar sobre um’ projeto envolvendo países africanos.

- Foi surpresa?

- No primeiro momento, não entendi bem, mas depois me foi explicado que se devia a minha expertise em tecnologias digitais. Sou pesquisadora tanto no mestrado Profissional em Gestão nas Organizações Aprendentes como no Programa de Pós Graduação em Educação - PPGE - onde investigo como as tecnologias digitais vêm promovendo mudanças radicais na forma como as pessoas aprendem.

Correio: Como a senhora recebeu o desafio?

Edna: Quando recebi o convite - países africanos, a gente tem uma empatia, porque vivem problemas na Educação semelhantes aos nossos, de exclusão das pessoas à possibilidade de formação. Após várias reuniões no MEC foi desenhado um projeto, onde veríamos preparar dois cursos de formação para três países africanos: Cabo Verde, São Thomé e Príncipe e Guiné Bissau.

Correio: Projeto com que objetivo?

Edna: Formação de professores. Nós deveríamos "formatar" produzir uma proposta de formação para professores sem curso superior e para professores com cursos superiores. Foi muito desafiador.

Correio: Como foi o processo preparatório?

Edna: Tivemos muitas reuniões com ministros, chefes de divisões dos ministérios, reitores de universidades e aí fomos entender um pouco da proposta deles, do que precisavam e se teríamos condições de responder ao desafio. Fizemos uma missão aos três países e os primeiros acordos. Eu decidi participar do projeto porque entendia o processo como de extrema relevância.

Correio: Por quê?

Edna: É um momento crucial para o pesquisador. Nós trabalhamos com tecnologia de ponta, no Laboratório de Produção de Vídeo Digital, no Centro de Informática e pensar em usar essas tecnologias para favorecer a Educação em países da África, um educador jamais poderia dizer não.

Leia mais no Jornal Correio da Paraíba

Relacionadas