segunda, 24 de setembro de 2018
Comunicação
Compartilhar:

Daniella Ribeiro e Estela Bezerra substituem os apresentadores no Correio Debate

Adelson Barbosa dos Santos / 09 de março de 2018
Foto: Nalva Figueiredo
No Dia Internacional da Mulher, o programa Correio Debate, da rádio 98,3 FM (Correio SAT), foi apresentado, ontem, pela radialista Sandra Macêdo e pelas deputadas estaduais Daniella Ribeiro (Progressistas) e Estela Bezerra (PSB).

Elas entrevistaram a primeira-dama de João Pessoa, Maísa Cartaxo; a reitora da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Margareth Diniz; a delegada Vládia Holanda; a secretária das Mulheres da Prefeitura da Capital, Lídia Moura; e a juíza Graziela Queiroga, além da diretora geral do Sistema Correio de Comunicação, Beatriz Ribeiro; e da diretora de jornalismo, Sony Lacerda, entre outras.

O programa foi aberto por Nilvan Ferreira, Victor Paiva e João Costa. Depois, entregue ao comando das deputadas. Daniella e Estela destacaram, inicialmente, os avanços obtidos pelas mulheres no decorrer do tempo. “Não podemos negar os avanços. Hoje, mulheres ocupam espaços antes inimagináveis. Temos avanços na legislação. Enfim, temos muito o que comemorar”, disse Daniella.

Para Estela, os avanços também são inegáveis e precisam ser comemorados. Ela citou um exemplo. “No início do século passado, nossas avós não podiam votar e, muito menos, serem votadas. Se houve uma revolução no século passado, foi a revolução das mulheres, embora elas continuem sendo tratadas como cidadãs de segunda classe”, frisou Estela.

Segundo ela, apesar dos avanços, ainda é muito pequena a participação da mulher na política. Para se ter ideia, são apenas 12% no Parlamento e 8% no Poder Executivo.

“A mulher estuda mais, trabalha mais e ganha menos. A mulher sofre violência dentro de casa e o companheiro, que deveria protegê-la, acaba sendo seu algoz”, frisou Estela.

Daniela Ribeiro disse que a discriminação contra a mulher não faz distinção de cor, credo, nem de classe social e acontece em países pobres e ricos. Ela citou um caso que aconteceu na Nova Zelândia, um país localizado no sudoeste do Oceano Pacífico, com um PIB per capta de US$ 34. 975. O PIB per capta do Brasil é de US$ 11.800.

“A primeira ministra da Nova Zelândia ficou grávida e os opositores passaram questioná-la pela imprensa. Ela enfrenta uma onda de críticas porque é mulher e ficou grávida. É o cúmulo do absurdo. Isso mostra que a violência contra a mulher ocorre no mundo todo”, frisou Daniella.

Beatriz Ribeiro também participou do programa ao lado das deputadas e das convidadas. Parabenizou a jornalistas guerreiras do Sistema Correio e disse que, apesar das conquistas, é preciso avançar mais.

“Temos que resistir e lutar sempre”, aconselhou Beatriz Ribeiro. Sony Lacerda também destacou o trabalho essencial das mulheres guerreiras do Correio.

Relacionadas