quinta, 24 de maio de 2018
Campina Grande
Compartilhar:

Campina Grande monta força-tarefa para diagnosticar chikungunya em bebês

Fernanda Figueirêdo / 28 de junho de 2016
Foto: Chico Martins
A secretária de Saúde de Campina Grande, Luzia Pinto, afirmou que a partir da próxima segunda-feira o município irá realizar uma força-tarefa para diagnosticar novos casos de bebês afetados pelos vírus da zika e chikungunya. O prefeito Romero Rodrigues pontuou que o ambulatório especializado em microcefalia, no Hospital Municipal Pedro I, continuará com seus atendimentos. Atualmente 78 crianças estão sendo atendidas pela equipe que envolve, entre outros profissionais, fisioterapeuta e neurologista.

Deste total, 13 crianças são de Campina Grande. As mães que estiverem com suspeita dessas doenças também podem acionar o serviço municipal de saúde através do whatsapp pelo número (83) 99414-9791.

“As mães que tiverem apresentado sintomas semelhantes a zika ou chikungunya deverão procurar o serviço de saúde na maternidade Isea. Já as mães de crianças até um ano de idade que apresentarem qualquer sintoma atípico, devem procurar o Hospital da Criança o mais rápido possível. Trabalharemos em plantão de 24h”. Luzia Pinto, secretária de Saúde de Campina Grande.

DADOS

O último boletim atualizado dos casos notificados da dengue, zika e chikungunya no Estado foi divulgado no dia 14 de junho e dá conta dos casos registrados de 1º de janeiro a 28 de maio deste ano.

- Foram notificados 8.276 casos suspeitos de chikungunya.

- 7 óbitos suspeitos da doença, nos municípios de Monteiro (1), Aroeiras (1), João Pessoa (2), São José do Umbuzeiro (1), Soledade (1) e Santa Cecília (1).

- Destes, dois óbitos foram confirmados e os demais estão em investigação.

A faixa etária varia de recém-nascido até 92 anos, mostrando que a susceptibilidade independe da idade.

- Guillain-Barré e outras manifestações neurológicas – Foram informados pelos serviços hospitalares, de julho de 2015 até o momento, 38 casos suspeitos, sendo 16 descartados, seis confirmados e 16 em investigação por suspeita de ter correlação com chikungunya/zika vírus/ dengue.

 

Relacionadas