quarta, 18 de outubro de 2017
Cidades
Compartilhar:

Ato pede tolerância e justiça para adolescente transexual assassinada em JP

Celina Modesto / 19 de agosto de 2017
Foto: Reprodução
A adolescente transexual Anna Sophia, assassinada no dia 8 de julho por um policial militar é homenageada em um culto ecumênico realizado neste sábado, na Praça Bela, que fica no bairro dos Funcionários II. A celebração ministrada por pastores, além de homenagear a adolescente, tem por objetivo promover a tolerância à diversidade e às pessoas LGBT.

De acordo com a organização do culto, deverão participar da celebração amigos, parentes, professores, vizinhos, movimentos sociais e a população dos bairros Funcionarios I e II. A organização não estimou a quantidade de pessoas esperadas para a celebração, mas espera reunir pessoas que acreditam numa sociedade justa, solidária, com respeito e livre de toda forma de discriminação e violência.

Entenda o caso

No dia 8 de julho, Anna Sophia, de 16 anos, foi assassinada com vários tiros na Praça Bela, no bairro dos Funcionários II, em João Pessoa. O sargento reformado da Polícia Militar, Antônio Rêgo Sobrinho, confessou o crime e disse que "veio ao mundo para matar homossexuais". Ele foi preso no dia 11 do mesmo mês pela Delegacia de Homicídios de João Pessoa. Amigas de Anna Sophia afirmaram nas redes sociais que a vítima já tinha sofrido ameaças do sargento reformado e que o suspeito já teria tentado assassinar outra travesti.

De acordo com o delegado Marcelo Falcone, da Delegacia de Repressão a Crimes Homofóbicos, o assassinato das pessoas LGBTs é consequência de todas outras violências sofridas por esta parcela da população. “O assassinato é a última das violências. Maior parte das travestis é colocada na marginalidade muito cedo, não tem acesso aos direitos básicos. Não conseguem arrumar emprego e nem estudar por conta da violência. São pessoas que encaram a rejeição muito cedo, enfrentam todo tipo de violência durante a vida”, destacou.

No dia 15 de julho, foi realizado um protesto contra assassinatos de travestis na Paraíba, que contou com a participação de mais de 200 pessoas, conforme a organização do evento.

Relacionadas